19 de jan de 2012

Carta que nunca irás ler


Meu Amor,
Aquelas minhas últimas palavras não foram sentidas, tampouco foram pensadas.
Nós fomos um simples cálculos matemático no qual 1+1= um só. Pode parecer estranho mas foi o que realmente aconteceu. O teu olhar no meu e o meu olhar no teu não só criaram tempestades como também os maiores momentos de ternura. Éramos perfeitos um para o outro, mas como sempre, eu arruinei tudo.
Tu juraste amor infinito, já eu, nada jurei, pois não acreditava em tal, como ainda não acredito, mas sei que… quase me fizeste acreditar.
Deves perguntar-te se te amava, e para tal pergunta só tenho uma resposta. SIM, e ainda amo no mais profundo de mim porque o que tínhamos não pode ser esquecido. Não posso dizer que me arrependo ou que foi o maior erro da minha vida, pois não o foi. Amar nunca foi um erro, e amar-te tornou a minha alma mais viva do que nunca.
Se queres saber, o motivo deste desfecho não foi culpa tua como eu te tinha dito e sim por minha. Eu nunca me senti mal contigo, mas estava mal comigo mesma quando estava comigo. É confuso mas se prestares atenção irás entender. Por isso achei que merecias melhor, muito melhor e impus-me um suplício e mesmo assim consegui arrastar-te na minha miséria.
Odeia-me, despreza-me, mas por favor nunca tenhas pena de mim porque de um certo modo é assim que eu gosto de estar, só.
Perdoa-me por ter decidido o que era ou não melhor para ti, mas tu conheces-me melhor que ninguém e sabes que é isso que eu sempre fiz.

Cristina

3 comentários:

DavidPampillo disse...

ui Cristina,isto é para quem? ahahahahah xD não a sério, porquê essa pessoa não vai ler esta carta? ahahahah
deixa estar, não precisas de responder. muito bom ;)

Cristina Fitas disse...

porque ela nunca irá parar às suas mãos.
E para quem ela é... isso já não posso dizer

Prof. Graça Magalhães disse...

Seja quem for... é ? foi ? ou será um sortudo por ter uma pessoa assim por perto e um palerma por não ter percebido e sabido corresponder ...