20 de mai de 2012

Uma Separação


É francamente difícil vermo-nos separados de algo com o que nos sentimos tanto tempo ligados. Com toda a experiência vos confesso, que às vezes é preciso quebrar esse elo, esse laço que nos une a uma pessoa, a um espaço, a um tempo.
Curvemo-nos perante a necessidade de dizer adeus, um adeus sem retorno. De não olharmos para trás uma e outra vez, de fecharmos a sete chaves uma passado pesado, uma vida que passou difícil durante algum momento, uma situação de dificuldade. Fechar bem fechado, não nos importando com o que dizem, com o que pensam, com o que se fala. Naqueles que estiveram por perto quando não nos atrevíamos a falar o que se passava connosco, depositar de uma vez e sem receio, a nossa confiança pois foram esses que sem o saber, fizeram sentir-me feliz quando estava sinceramente mal e não o demonstrava – obrigado Amigos – com maiúscula sim!
Depois de ter atravessado algo mau, maldade, é revigorante sair mais forte. É reconfortante dizer: eu consegui, eu permiti-me a mim mesmo a superar esta prova que pode matar. Cruelmente saí da crueldade; firmemente saí firme; saí inatingível dessa maldade, dessa fúria desconcertante.
Já subi essa escada perturbadora em que cada degrau parecia fundir-se aos meus pés e descalço escorreguei, mas levantei-me. Levantamo-nos mãe.

Nenhum comentário: