22 de abr de 2012

Saudade

Se algum dia senti saudade, foi este. Agora sei que quem fala de saudade, fala de uma sensação que percorre o corpo, que consome, que faz gritar, chorar e, por vezes, sorrir sem razao. A sensação de fim está sempre presente e ela atormenta-me, mesmo que não queira lembrar, ela volta sem aviso, sem compaixão, e é fria, egoísta e não se preocupa com mais do que com destruir todos os progressos que tinha feito até aquele dia. Mas sendo teimosa, como sou, volto sempre a reconstruir os sonhos e todos os planos e apesar de ser difícil, levanto a cabeça e espero algo melhor, tanto para mim como para quem amo. Mas desta vez não o fiz.

Até hoje só conheço dois tipos de saudade e por ironia, ou apenas destino, apareceram os dois neste dia. Sei que um é a morte física. O outro não consigo expressar, sei que é fruto da ingratidão, e por muito que a cabeça não queira, o Coração não se prende e fica aquele buraco dentro de mim, que nem o chocolate cura. Depois há aqueles que partem e que sempre estiveram la, como anjos, mas a vida é mesmo assim, e rouba-nos todos aqueles que mais amamos, mesmo sabendo tudo o que ficou por dizer, e ficou tanto..

Mas, agora que penso, quem sou eu para falar de saudade se só a senti uma vez de verdade? Saudades fúteis sinto vezes a mais, acho que todos sentimos. Saudades do cheiro a chocolate quente, do sol a bater na cara, ou até daquele dia em que o meu cabelo estava realmente perfeito, e que superficial que tudo isto é.

As saudades são assim, com diferentes graus, perspectivas e os seus efeitos variam em cada um de nós, mas não deixam, em nenhum caso, de ser a falta de algo de que gostamos, mas algo que perdemos.

Ah! Com tudo isto, esqueci-me de Te dizer.. aquele foi realmente o dia em que senti Saudade, mas é engraçado, não pensei que nunca fosse desaparecer. Sinto a Tua falta.

Um comentário:

DavidPampillo disse...

some things just never leave. Better, some of they never left**

Perfect writing Ritinha ;) :D