2 de mar de 2012

Deve ser, é possível, talvez




Ontem éramos amigos posso dizer. Vivíamos felizes a cometer erros, a disfarçar os maus bocados com gargalhadas fartas de felicidade. Corríamos à mesma velocidade e contra o vento empurrávamos o suor que se expelia dos poros. Estávamos saudáveis, a nossa mente, digo eu, e a cada sensação o olhar enternecia de um sentimento agridoce, como que de amargura, como que de saudade e neste desespero incorrigível as almas elevavam quanto de mais profundo nos ocupava.
Hoje já não somos amigos. Somos uma espécie de configuração que aparenta sê-lo, mas somos algo mais. Hoje já não falamos da mesma forma e as palavras não saem nem se desenvolvem, e as promessas não se criam nem se rompem, e as mentiras não se dizem nem se escondem e isto tudo porque não temos mente para idealizar as letras, as sílabas, os sons.
Amanhã, o amanhã não se sabe, se desconhece. Mas deve ser uma lembrança longínqua que um dia poderei ter, é provável que seja uma perda grande e talvez, não seja mesmo nada. Mas não importa, permanecerá comigo a ideia clara e distinta do que eu um dia fui.

Nenhum comentário: