19 de fev de 2012

Ao olho nu

Porque ninguém nos conhece. Ninguém sabe quem somos, o que pensamos, como vivemos. Ninguém dá conta da situação triste em que estamos, do profundo mar em que nos afogamos.
A nossa máscara, é perfeita. Ninguém vê o nosso rosto e as marcas que nele se encontram. Ninguém deixou uma porta aberta para a possibilidade de ser feliz.
Quem ousa enfrentar-nos dessa forma? Quem se atreve a elevar tais argumentos? Quem se acha mais importante ao ponto de julgarem ter conhecimento do nosso eu, por dentro?
Desenganem-se, desenganem-se. Vocês não sabem, não têm a menor ideia. Não cheguem até aqui a pedirem-me explicações, a pedirem-me para fazer qualquer coisa que vocês querem que eu faça. Depois não venham a deitar-me a baixo porque vos apetece, porque não têm outra coisa em que gastar o vosso tempo. Depois, muito depois, não digam coisas estúpidas como se soubessem o que atravessamos.
Não creiam que por estarem por perto estão aptos para acreditar que conhecem quem somos, o que pensamos, como vivemos pois nada do que vêm sabem se for apenas visto, ao olho nu.

2 comentários:

Cristina Fitas disse...

muito bom. faz-me lembrar uma situação que não ocorreu a muito tempo

DavidPampillo disse...

o mesmo a mim :/