24 de out de 2011

Ego


O teu ego e tu são incompreensíveis. A dureza com que ele te arranca da realidade é um desafio constante que não escapa à nossa vivência conjunta e com os outros . Tu com os outros. A força do teu ego é implacável porque o teu verdadeiro “eu” nunca vem ao de cima. O teu ego vai em contra a minha vida destroçando-a, mutilando-a ao vazio.
O teu ego é frio, escuro e solitário. Solitário ao ponto de dizer que não quando é necessário dizer que sim, solitário ao ponto de esquecer promessas e alagar-me de tristeza nas situações em que me encontro mais fraco. O teu ego perde-se nele mesmo de tanto que invade os sentimentos.
Uma réstia do teu ego paira no ar assim como uma pena, que flutua, flutua, flutua deliberadamente até tocar o chão: nessa altura e mesmo nessa altura, o teu ego não se rebaixa, não pede desculpas permanece contido na tua pessoa até ao fim, até ao término da tua presença.
E aqui sozinho e impávido me encontro a olhar para um espelho que o teu reflexo guarda, a dizer palavras assumidas por consciência, a mentir sobre os traços da tua aparência para que mais ninguém te conheça nem te critique. Fico aqui até ao fim. Fico com alguma indiferença a pensar naquilo que poderíamos ter sido.
Fico aqui, aguardando com impaciência o renascer de tudo o que te completa, o renascer da tua existência.

Nenhum comentário: