21 de out de 2011

Bandeira, bandeira.


A haste está partida. A esfera enferrujada. As cores manchadas por uma escuridão desnaturada.
Bandeira, bandeira, quantos continentes já foram teus? Quantos mares atravessaste lá no alto do teu mastro? Em quanta areia foste encravada? Por quantas pessoas foste venerada? Quantos povos testemunhaste?
Bandeira, bandeira, agora quem te esfarrapa? Quem te pisa? Quem te utiliza para fazer de ti pano para limpar mesas? Quem te rasga, usa, abusa, quem te condena? É triste bandeira, também é desonesto, é rebuscado e é estúpido que façam coisas à tua gente que limitam a vida no presente, que existam uns que mal governam e outros que saem impunes.
Bandeira, bandeira, já ninguém fala de ti, da tua história. Estás posta de lado enclausurada num armário onde cheira a velho. Bandeira, que fizeste? Que desfizeste para estar assim?
O teu povo já não é soberano, não é autoritário e deixa tudo passar: ninguém protesta, ninguém se levanta, ninguém grita, ninguém faz nada. Bandeira, a tua gente está indignada por todo este mal.
Foram esses senhores politizados, sentados lá no plenário numa coisa chamada parlamento a fazer as coisas ao sabor do teu próprio vento! E tu que já aguentaste tanta tempestade, tanta tormenta ficas aí...quieta? Não os deixes. Revolta-te! Salta! Agarra um escudo, uma espada!
Bandeira, bandeira, o teu Portugal anda assim, desta forma, sem esperança e preso a rédeas como besta, como fera!

Nenhum comentário: