24 de ago de 2011

partimos dos sentimentos

O egoísmo senhores, aproveita-se.
A calma, gasta-se.
O mal ultrapassa-se e a dor congela-se.

O rancor, dói - é verdade -
Mas compensa a boa vontade
Com certeza, e até a liberdade
Se torna a sua própria presa.

Deste modo, a impetuosidade
A mentira, sensibilidade
E tudo o mais, reservam-se
Para eventualidades e momentos especiais.

A obscenidade, é polémica.
A demência, sentimental
E algo público talvez
Pois o louco, tudo já fez.

A grandiosidade, eleva-nos.
O poderio, consume.
Mas é uma questão de nervos
E das maldades do costume.

Em suma:
Que a verdade nunca perdura
Que o que fica é a intenção
Daqueles que a procuram
Por razão ou por brandura.

Nenhum comentário: