23 de jul de 2011

Custa falar

Hoje é um dia mau. Começo por dizer isto. Já não basta tudo o que se sofre, mas ainda, ainda se prova que até um país riquíssimo pode sofrer também. Tenho pena pelo atentado e tenho pena pelas pessoas que morreram por causa mais uma vez de um tipo de fundamentalismo, e tenho pena por aquelas que com certeza irão viver com a memória de um dia negro e pela perda de tão jovens almas, que sem culpa alguma, já se foram.
Custa-me também falar, e agora particularmente, da morte de uma cantora que apreciava tanto e que apesar dos seus problemas crónicos com a droga e o álcool, nos cativou certamente com a sua voz maravilhosa e a sua forma um pouco fora do usual. Morreu um exemplo, um exemplo para o negativo claro, de que o consumo excessivo de álcool e as drogas podem invariavelmente definir o nosso destino. Mas fica a sua música, fica a sua memória, fica a sua arte.
E é tanto pela catástrofe na Noruega como pela morte de uma artista, que a qualidade de solidariedade do ser humano vem ao de cima, afastando qualquer ideia feita e racionalidade, mas contando apenas com o pesar e a pena pelo próximo. É de lamentar que sejam estas situações (o terrorismo e o consumo de drogas) as despoletadoras destas nossas qualidades.
Em memória das vítimas da Noruega e de Amy Winehouse

3 comentários:

Anônimo disse...

Um mundo onde pessoas inocentes são as vitimas das cobardias dos outros.
Silvia

DavidPampillo disse...

nada mais a acrescentar silvia. Bem dito.

Cristina Fitas disse...

Tudo dito